sexta-feira, 23 de julho de 2010

Devia um retorno para os que nos acompanham. Fiquei muita chateada com o desenrolar do fato, mas acho que, como cidadã, fiz a minha parte.
Voltei no dia determinado pelo PROCON para ver com seria a resposta da Fratelly.
CONTESTARAM é claro e o pior, contestaram mentindo sobre coisas que não aconteceram e se tivéssemos uma defesa mais eficaz perceberia que eles caíram em contradição.
No momento em que eu estava no PROCON fazendo a queixa, a atendente ligou para a loja onde alegaram que realmente não puderam comparecer a minha residência conforme o nosso combinado e que foi relatado pela atendente, ou seja documentado.
Na contestação, alegaram que realmente não puderam comparecer a minha residência no horário combinado, mas que foram no final da tarde e que meu filho os barrou. Ou seja, meu filho, menor de idade, impediu que eles efetuassem o serviço.
Perguntei à atendente qual seria o próximo passo e ela me informou que se eu não aceitasse que eles efetuassem o serviço eu deveria novamente comparecer ao PROCON para uma audiência, sem testemunhas, sem provas, ou seja, eu, o responsável pela loja e alguém que decidiria só ouvindo as duas partes. ABSURDO!!!
E depois???
Depois eu teria que ir a justiça comum, arrumar um advogado e aí sim acionaria testemunhas e provas (já que eu tenho a ligação do dono da loja às 18 horas dizendo que não poderia efetuar o serviço naquele dia, quebra de sigilo telefônico.
Sinceramente???? Desisti. Não poderia mais perder meu tempo. Talvez meu tempo não valha tanto quanto ao do dono da Fratelly, mas vale sim, principalmente seria mais dor de cabeça, estresse, gasto com combustível, advogado, etc.
Decidi aceitar aquela injúria. Realmente não posso reclamar da qualidade do produto nem da eficiência da realização do trabalho. Nunca questionei isso, até porque não conhecia o serviço deles.
A questão toda foi a falta de respeito, a forma como falaram comigo, com total descaso e se achando mais que eu.
Vivemos num mundo em que não se respeita nem o que está escrito, se mente descabidamente para se tirar vantagem em tudo. Ele não poderia perder, mas eu sim.
Não consegui a conclusão desejada, mas tenho certeza que vão pensar muito antes de darem um prazo que talvez não possam cumprir. Não queria sair ganhando, apenas queria meus direitos respeitados.
Se mais pessoas fizessem isso, dessem queixa toda vez que se sentissem lesados, com certeza teríamos uma cidade, um país, um mundo melhor.
Quanto ao PROCON, acredito que fazem o que podem, mas ainda precisam de muito mais eficiência e cruzamento de informações para ajudarem o cidadão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário