segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

BRASIL: UM PAÍS DE CONFORMADOS


Chegamos no IOG (Instituto de Ortopedia de Goiânia) às 13h25.
Como se sabe, quando marcamos uma consulta, pedem para que cheguemos pelo menos uns 10 minutos antes para que possamos confirmá-la, pagar ou apresentar o cartão do Plano de Saúde. No nosso caso foi a última opção: temos a Unimed.
Ao chegarmos, já percebemos que algo não ia bem, pois a secretária do médico (aqui todos têm uma para fazer este atendimento) estava chegando do almoço e nossa consulta havia sido marcada para as 13h40. Entregamos o cartão da Unimed e a identidade. Juntas entregaram mais umas 4 pessoas.
14 horas. E nada de nos atenderem. Cláudia foi perguntar por que ainda não havia sido chamada e a secretária responde que o médico estava fazendo a visita de seus pacientes internado. Estava atrasado e éramos apenas a quinta a ser atendida.
14h50. A Cláudia foi chamada. O médico é um ortopedista especialista em coluna. A consulta durou 10 minutos. Ele pediu um Raio-X para ela que foi encaminhada para o balcão de exames.
14h55. A atendente do balcão de exames pediu para que Cláudia trocasse a folha da requisição do exame, pois o médico trocou os impressos. Ela voltou ao balcão da secretária do médico para que ele fizesse a requisição no impresso da Unimed. Para surpresa dela, a secretária não voltou ao consultório. Pegou um bloco todo com o carimbo do médico e ela mesma assinou. Cláudia se encaminhou novamente para o balcão de exames.
15h10. Cláudia é chamada para o Raio-X e mais outras 2 pessoas. Lá dentro 3 salas, cada uma para um tipo de Raio-X (ao que parece).
E ficamos esperando. A sala cheia, o ar condicionado amenizava um pouco o nosso cansaço e sofrimento pela espera. Pessoas com todos os tipos de problemas ortopédicos: braço, perna, joelho, nariz, dedo, pescoço, coluna, enfim, cadeiras de rodas, andadores, crianças, jovens, adultos e idosos, todos ali, com ou sem acompanhantes. O banheiro deprimente: sujo, fedido, molhado. De graça só a água no bebedouro. Mas havia duas máquinas para refrigerantes, salgadinhos e cafés. Nada de atendentes para isso. Era só colocar moedas, notas que a máquina além de fazer o troco, se necessário, servia-nos o que havíamos escolhido. Decidi pelo café expresso, 50ml, R$1,00.
Era tanta gente junta que o burburinho era ensurdecedor e as secretárias precisavam de um microfone para que as pessoas ouvissem quando fossem chamadas.
Vale novamente ressaltar que o IOG é privado. Atendimento particular ou plano de saúde.
Ninguém, mas ninguém, foi reclamar da demora.
16:30. Fomos perguntar por que demorava tanto para Cláudia ser chamada novamente pelo médico para lhe dar o laudo do Raio-X e medicá-la. É um total contra-senso. Pessoas com dores ortopédicas, tendo que esperar sentadas, desconfortavelmente, piorando até a situação. A secretária nos falou que iria começar a intercalar as consultas com os Raios-X que as pessoas haviam tirado.
17:45. Depois do café, de muito conversarmos, de observarmos as pessoas conformadas por aquele tipo de atendimento sem nada dizer, jogando no celular e até tuitando a raiva de estar há tanto tempo ali. Resolvi perguntar se havia alguém para reclarmos daquela demora. "Você quer alguém para reclamar a esta hora?" Só faltou ela rir na minha cara. Por fim, pedi um email que ela acabou me passando na verdade o site do Instituto, mas errado, por que será?
17:50. Hum...Coincidência ou não, Cláudia foi chamada a seguir. Seu atendimento durou 5 minutos. Prescreveu a receita, no computador, ainda bem, e fomos embora.
4 horas e meia perdidas.
Sei que este retrato não é um "privilégio" de Goiânia. Sabemos que no Brasil inteiro o pouco caso na saúde é grande demais. Fico imaginando como isso pode ser ainda pior no SUS. Precisamos de um sistema de saúde mais justo, não penas o público, mas o sistema particular também.
Quando será que as pessoas começarão a reclamar disso? Por que temos que esperar tanto tempo assim, se percebemos que o que falta é alguém de boa vontade perceber que o sistema é falho e arregaçar as mangas e mudar isso. Pagamos duas vezes por isso: uma pelo SUS e uma pelo particular. E ainda somos atendidos como se só nós precisássemos destes profissionais e não eles de nós.
Até quando?????

IOG - INSTITUTO ORTOPÉDICO DE GOIÂNIA
RUA T.27 ESQ. C/ T.49 N.819 - SETOR BUENO- GOIÂNIA - GO
Dr. Newton Antonio Tristão

Nenhum comentário:

Postar um comentário