quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Você conhece a Chica Doida?

Pois é, tive a oportunidade de conhecê-la no dia 4 de janeiro. Nossa amiga Lygianne e também colaboradora deste blog, nos convidou para ir à Aparecida de Goiânia conhecer a famosa Chica Doida. E comemos a Chica... Não, não pensem besteiras. Chica Doida é um típico prato da culinária do Centro-Oeste, mais precisamente da cidade de Quirinópolis em Goiás.
Durante minha pesquisa, encontrei várias versões para este prato, mas a história que mais me convenceu foi esta que "colo" abaixo:

A ORIGEM DA CHICA DOIDA 

Reunir a família para uma pamonhada sempre foi uma tradição enraizada na cultura popular de Goiás, que em várias ocasiões bebeu na popular cozinha regional mineira. Pois bem: foi numa despretensiosa pamonhada, na Fazenda Cachoeirinha do Rio Preto, município de Quirinópolis, em 1945, que nasceu acidentalmente outra delícia: a Chica Doida. Petronilha Ferreira Cabral e seu marido João Batista da Rocha adoravam receber em casa os amigos para uma rodada de pamonhas fresquinhas. Num desses encontros a palha acabou. Mas ainda tinha muita massa já ralada pronta para ser aproveitada num quitute que encantasse a platéia de gourmets. Não é que então seu João Batista deu à mulher a sugestão de improvisar um prato e colocá-lo a apreciação da turma. Olharam em volta e ali estavam ingredientes simples e fáceis à mão como cebola picada, alho amassado com sal, e bastante pimenta malagueta. Foi o que bastou para dona Petronilha misturar tais ingredientes e levá-los ao forno, acrescentando água fervendo. Ainda não satisfeita com o resultado da massa, já quase totalmente cozida, dona Petronilha misturou sobras de queijo, lingüiça e jiló, levando o prato em seguida para gratinar. Neste dia quem experimentou a nova receita adorou, embora dona Petronilha tenha carregado à mão na pimenta. Daí mais uma vez seu João Batista arriscou: “É uma coisa de doido! Vai se chamar Chica Doida, tal a ardência da malagueta”. Era o início de uma história que faz sucesso cinquenta anos depois, em que dona Petronilha, aos 82 anos, hoje moradora do município, vê com satisfação sua receita ganhar status de estrela de um festival. Além de ser uma iguaria repaginada com outros ingredientes em novas versões dentro dos princípios da gastronomia contemporânea.

Qualquer semelhança com a minha pamonha assada é mera coincidência. A receita original vai jiló, eu prefiro a Chica fazendo algumas modificações. E quem quiser uma Chica mais mansinha é só diminuir a pimenta ou mesmo não colocá-la.
Receita é bom para termos uma base, mas nada como arriscarmos em novos sabores e especiarias.

Receita Chica Doida

(Original fornecida pela Dona Petronilha Ferreira Cabral)


Ingredientes

25 espigas de milho verde mole
½ kg de lingüiça de porco caseira
300 gr de queijo picado em cubos
250 g de jiló
½ copo de banha de porco ou óleo
2 cabeças de cebola picadas
8 dentes de alho
1 colher cheia de pimenta malagueta curtida
1 colher de sobremesa de açúcar
1 copo de água
Sal a gosto

Modo de preparo- Rale as espigas de milho levemente. Coloque a massa em uma bacia para temperar. Em seguida, escaldar a massa na banha quente. Junte os temperos mexendo bem a massa. Enquanto isso, acenda o forno em fogo médio 180 graus. Despeje a massa em um pirex ou forma de vidro e leve ao forno já quente. Para garantir uma boa textura mexa a massa, já no forno, de 5 em 5 minutos acrescentando água quente. Quando a massa alcançar o ponto de cozimento retire do forno e intercale a lingüiça, o jiló e os pedaços de queijo. Cubra então essa massa com fatias de queijo e leve para gratinar no forno por mais 15 minutos. Todo o processo dura em média 1 hora. Sirva a seguir.



Nenhum comentário:

Postar um comentário